ACESSE

Nota da assessoria do TRF-1

Telegram

A assessoria do TRF-1 mandou a O Antagonista uma nota em que contesta post sobre a desembargadora Mônica Sifuentes, que negou a prisão de Jaques Wagner.

Leia abaixo:

“A desembargadora federal Mônica Sifuentes não foi investigada pelo Conselho Nacional de Justiça e (…) a correição prévia em seu gabinete teve a finalidade tão somente de viabilizar participação em programa de especialização no combate ao tráfico internacional de pessoas nos Estados Unidos, como representante do Brasil.

Durante o período do seu afastamento, o gabinete ficou sob a direção de um juiz federal convocado, não havendo, portanto, qualquer prejuízo às partes.

A magistrada retornou às suas atividades no mês de julho/2017.

Quanto à nomeação, cabe esclarecer que o nome da magistrada foi escolhido pelo Plenário desta Corte Regional Federal para integrar lista tríplice e que todas as nomeações para os Tribunais Regionais Federais e Tribunais Superiores são privativas do Presidente da República.”

Comentários

  • O -

    Do "esperto" é achar que todo mundo é idiota.

  • TNT -

    Ser escolhida por um Presidente ladrão é demérito.

  • Jorge -

    Escolha pelo presidente , qualquer um, aqui no Brasil é jabuti , a Lava Jato tem mostrado isso .Acaba sendo um cargo político e para ser indicado tem que vender a alma para o diabo . Não tem jantar de graça !

Ler 56 comentários