Nota de Ricardo Barros

Telegram

A assessoria do ex-ministro da Saúde Ricardo Barros enviou a O Antagonista uma nota em que contesta a acusação que o Ministério Público Federal lhe fez —o MPF cobra dele R$ 19,9 milhões.

Leia a íntegra:

“O ex-ministro da Saúde, Ricardo Barros, lamenta que o Ministério Público Federal tenha escolhido o lado errado da luta no Sistema Único de Saúde (SUS). Deveria acusar as empresas que mantêm monopólio de representantes para explorar o erário público. A Justiça deu a autorização para a Global importar o medicamento. O laboratório fabricante, no entanto, recusou a vender o produto para a Global, mantendo um injusto e maior preço para o Brasil, praticado por seu representante comercial.

O sucesso (ou insucesso) do 'posto Ipiranga' vai determinar se o Brasil se entrega ao passado de vez ou se nos lançamos ao futuro. LEIA AQUI

A legislação foi cumprida rigorosamente para aquisições por judicialização da Saúde. Os R$ 5 bilhões economizados em 22 meses à frente do Ministério contrariaram muitos interesses. Agimos sempre dentro da lei, e nesses casos com decisões judiciais favoráveis ao Ministério da Saúde.

O juiz substituto da 21ª Vara Federal de Brasília, Ronaldo Spagnolo, concedeu liminar para a importação do medicamento pela vencedora da licitação.

Também foi criado o núcleo de judicialização no Ministério da Saúde e atuamos em parceria com o Conselho Nacional de Justiça (CNJ). A judicialização da Saúde consome anualmente RS 7 bilhões dos cofres públicos.”

Comentários

  • Alexandre -

    Ricardo que só faz barros.....vou dar um barrão.

  • Inacio -

    Se fazer uma investigação aqui em Maringá família Barros vai para cadeia bem rápido

  • Oswaldo -

    Essa nota é tão falsa quanto a licitação que ele fez que acabou resultando no assassinato de 14 pessoas.

Ler 11 comentários