A nota do MP sobre a investigação suspensa de Queiroz

Eis a íntegra da nota do MP do Rio de Janeiro sobre a suspensão da investigação sobre as movimentações financeiras de Fabrício Queiroz:

“O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) informa que em razão de decisão cautelar proferida nos autos da Reclamação de nº 32989, ajuizada perante o Supremo Tribunal Federal (STF), foi determinada a suspensão do procedimento investigatório criminal que apura movimentações financeiras atípicas de Fabricio Queiroz e outros, ‘até que o Relator da Reclamação se pronuncie’.

Pelo fato do procedimento tramitar sob absoluto sigilo, reiterado na decisão do STF, o MPRJ não se manifestará sobre o mérito da decisão.”

QUAL É O PAPEL DOS MILITARES NO NOVO GOVERNO? VOCÊ PRECISA ESTAR POR DENTRO DO QUE ESTÁ ACONTECENDO NO PAÍS LEIA AQUI

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 44 comentários
    1. Vc não conhece a Reclamação 32989 impetrada junto ao STF, né mesmo? Então não julgue! O tal “pedido” foi para que se investiguem TODOS igualitariamente e não apenas o Queiroz como estava send

    1. Pelo q eu entendi eh por isso q foi suspenso. Estao esperando o parecer do relator que esta fazendo esta análise de todos os casos, igualmente.

    1. Perseguição? O cara é filho do presidente, imagina se essa investigação fosse com o filho do Lula. Para de ser alienada, mds.

    1. Concordo mas o que estavam fazendo era um exagero. Poderiam esperar o cara sair do hospital e não ficar na mídia todos os dias dando declaração e ameaçando isso e aquilo. Tomaram

  1. A operação Furna da Onça foi feita só para pegar o Flávio Bolsonaro e por tabela o seu pai, tanto isso é verdade que a imprensa e o MP só falam do Queiroz. O Chiquinho da Mangueira já está li

  2. Plantão é do FUX, investigação deve ter atingido Bolsonaros com foro privilegiado e aí o jeito foi suspender até o Gilmar voltar de férias. Bolsonaro na mão do Gilmar, quem diria.