O artificialismo do auxílio emergencial no Norte e Nordeste

O artificialismo do auxílio emergencial no Norte e Nordeste
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O auxílio emergencial gerou artificialismo na economia do país, principalmente na região Norte e Nordeste.

Segundo o IBGE, em 15 dos 16 estados das duas regiões o comércio já ultrapassou com sobras o nível pré-pandemia. A conta não fecha, uma vez que estados como Bahia e Sergipe, por exemplo, lideram a taxa de desemprego no Brasil (19,9% e 19,8% de desocupados, respectivamente). Nos dois estados, o varejo já recuperou o nível pré-crise.

À Folha, Otto Nogami, economista do Insper, questionou se não houve problemas no desenho do benefício.

“Existe uma questão discutível: o auxílio foi criado para auxiliar pessoas sem renda. Mas acabamos percebendo que um grande número de beneficiados usou o recurso para reformar casa, trocar eletrônicos, e assim por diante —e esse movimento fez com que o comércio se recuperasse mais forte em alguns lugares onde esse movimento pode não persistir.”

Leia mais: Marco Aurélio e o caso André do Rap: como a lei (e a mais alta corte do país) pode ser usada para libertar um criminoso considerado perigoso?
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 60 comentários
TOPO