O artificialismo do auxílio emergencial no Norte e Nordeste

O artificialismo do auxílio emergencial no Norte e Nordeste
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O auxílio emergencial gerou artificialismo na economia do país, principalmente na região Norte e Nordeste.

Segundo o IBGE, em 15 dos 16 estados das duas regiões o comércio já ultrapassou com sobras o nível pré-pandemia. A conta não fecha, uma vez que estados como Bahia e Sergipe, por exemplo, lideram a taxa de desemprego no Brasil (19,9% e 19,8% de desocupados, respectivamente). Nos dois estados, o varejo já recuperou o nível pré-crise.

À Folha, Otto Nogami, economista do Insper, questionou se não houve problemas no desenho do benefício.

“Existe uma questão discutível: o auxílio foi criado para auxiliar pessoas sem renda. Mas acabamos percebendo que um grande número de beneficiados usou o recurso para reformar casa, trocar eletrônicos, e assim por diante —e esse movimento fez com que o comércio se recuperasse mais forte em alguns lugares onde esse movimento pode não persistir.”

Mais lidas
  1. PDT acusa Bolsonaro de peculato por compra de leite condensado

  2. Justiça Federal suspende distribuição da vacina de Oxford em Manaus

  3. ENTREVISTA: Wilson Lima diz que Pazuello ajuda a 'agilizar demandas', mas que 'ainda falta oxigênio'

  4. Auditores fiscais cobram reforma tributária

  5. Governo já pagou 1 bilhão por IFA de vacinas da AstraZeneca

Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 50 comentários
TOPO