O “autointerrogatório” da PF

Os peritos da Polícia Federal Audrey Jones, Raphael Borges e Jefferson Ribeiro parece que se inspiraram em Marcelo Odebrecht e fizeram também uma espécie de autointerrogatório ao final do laudo de análise financeira das transações do Grupo Odebrecht.

Parte das respostas, O Antagonista já noticiou, mas foi editada por questões de espaço. O questionário vale como ensinamento para MO, que não deve mais tripudiar da Força Tarefa da Lava Jato.

Eis o “autointerrogatório”:

– Qual o valor dos contratos firmados por empresas do Grupo Odebrecht e consórcios dos quais tenham participado junto a Petrobras no período de 2004 a 2014?

As empresas do Grupo Odebrecht firmaram contratos com a Petrobras no valor de R$ 35.590.880.834,72, ou seja, aproximadamente 16,6% do montante atualizado dos contratos objeto de investigação. Deste montante, constatou-se que R$ 17.113.982.147,16 foram firmados por contratação direta , R$9.272.725.307,78 com partes relacionadas e R$ 9.204.173.379,77 mediante a realização de consórcios com outras empresas.

– Com base nas informações disponíveis no bojo dos inquéritos da Operação Lavajato, é possível identificar transações financeiras entre tais empresas/consórcios e agentes públicos, partidos políticos ou quaisquer pessoas físicas ou jurídicas ligadas aos mesmos?

Sim. Foram constatadas transações financeiras envolvendo agentes públicos e partidos políticos, bem como empresas e/ou pessoas físicas a eles ligados. Lançamentos contábeis envolvendo pagamentos a ex-agentes políticos, foram identificados pagamentos realizados ao Instituto Fernando Henrique Cardoso no montante de pelo menos R$975.000,00, a instituições vinculadas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no valor de R$ 3.973.237,90 entre 2011 e 2014. Também foram encontrados pagamentos feitos a diversos candidatos, constatando-se que o candidato que recebeu o maior aporte de recursos oriundos dos cofres do Grupo Odebrecht foi a candidata Dilma Rousseff, beneficiária de R$ 8.250.000,00, seguida do candidato Aécio Neves. O partido político que foi beneficiado com maior volume de recursos foi o PT, seguido do PMDB.

– Há pagamentos do Grupo Odebrecht e consórcios em favor de empresas ou operadores apontados na Operação Lava Jato como tendo promovido a transferência dissimulada de recursos e/ou lavagem de capitais? Se positiva a resposta ao quesito anterior, é possível identificar os destinatários finais dos recursos empregados em tais pagamentos?

Foi possível identificar transações envolvendo as seguintes empresas investigadas por operacionalizarem pagamentos indevidos e lavagem de capitais: Arxo Industrial, DF Patrimonial, Jamp Engenheiros, Legend Associados, PEM Engenharia, Riomarine, Navemar, Auguri e Eagle Consultoria. Também foram identificadas offshores.