Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

O 'balcão' de Michelle "reforça a necessidade de privatizar estatais", diz Amoêdo

O presidenciável comentou a reportagem da Crusoé que mostra como a primeira-dama agiu para favorecer empresas amigas junto à Caixa
O balcão de Michelle “reforça a necessidade de privatizar estatais”, diz Amoêdo
Foto: Divulgação

João Amoêdo disse a O Antagonista que a reportagem de capa da nova edição da Crusoé escancara “a cultura de patrimonialismo do Estado brasileiro”, que não mudou no governo Bolsonaro.

Documentos obtidos pela revista mostram que a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, agiu, pessoalmente, para favorecer empresas amigas e adeptas do bolsonarismo no auge da pandemia da Covid. Empréstimos foram liberados pela Caixa depois que ela falou com o presidente do banco, Pedro Guimarães, e enviou e-mails com uma lista de indicados: leia mais aqui.

Amoêdo comentou:

“Michelle Bolsonaro, que continua sem esclarecer os R$ 89 mil recebidos de Fabrício Queiroz, dá um péssimo exemplo de promiscuidade entre o público e o privado. Infelizmente, essa ainda é a cultura de patrimonialismo do Estado brasileiro.”

Para o presidenciável, que é um dos fundadores do partido Novo, “o caso reforça a necessidade de privatização de estatais, que sempre são utilizadas por alguns políticos em benefício próprio”.

Amoêdo acrescentou que as revelações feitas pela Crusoé “demandam uma investigação rigorosa, rápida e independente, com as punições que se fizerem necessárias”.

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO