O boom imobiliário de Duque

O novo delator da Lava Jato, João Antonio Bernardi, contou como administrava a propina recebida por Renato Duque.

Em 2011, segundo a Veja, “Duque aproveitou o boom imobiliário no Brasil para lavar a propina em imóveis – comprou 12, sendo nove diretamente na planta”.

A partir de 2012, o dinheiro embolsado por Renato Duque passou a ser investido em obras de arte. “Ao todo, foram compradas 14 obras, incluindo a Ogiva, de Alfredo Volpi, por 399.000 reais, e um Guignard, avaliado em 1 milhão de dólares”.