“O condenado abriu mão de sua honrada história”

O ex-presidente da Eletronuclear Othon Luiz Pinheiro da Silva foi condenado a 43 anos de prisão pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro, embaraço a investigações, evasão de divisas e organização criminosa, na construção de Angra 3. A filha dele, Ana Cristina da Silva Toniolo, pegou 14 anos e 10 meses de cana. Outros 12 réus também foram para o xilindró.

Disse o juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio: “O condenado abriu mão de sua honrada história para praticar, já na fase derradeira de sua vida profissional, atos de lavagem de capitais, falseando contratos comerciais, possivelmente para garantir uma aposentadoria mais confortável”.

Vergonhoso e melancólico.