O confessor que não confessa

Algumas semanas atrás, a Veja publicou as cadernetas do dono da UTC, Ricardo Pessoa, certamente repassadas à revista por seus advogados. Nessas cadernetas, havia uma série de pistas sobre o que o empreiteiro poderia dizer caso assinasse um acordo com a Lava Jato.

Na semana passada, a Veja voltou à carga, fornecendo mais algumas pistas sobre o que ele estaria disposto a confessar.

As duas reportagens davam a entender que Ricardo Pessoa só não fechou um acordo com o Ministério Público porque os procuradores estariam fazendo exigências demais.

Mentira.

O Antagonista sabe – e sabe por meio de seus interlocutores na Lava Jato – que Ricardo Pessoa prometeu entregar alguns personagens politicamente mortos, como José Dirceu e Delúbio Soares. Ele prometeu enrolar também gente como Jaques Wagner e Rui Costa, como mostrou a própria Veja.

Mas sobre o topo da cadeia de comando – Lula e Dilma Rousseff – ele insinuou muito mais do que denunciou.

O Antagonista sabe igualmente que, para desmontar o esquema de roubo da Petrobras, os procuradores precisam de uma confissão completa, sem cair no jogo de chantagens do empreiteiro, que manda recados enviesados para Lula, através da imprensa, porque ainda conta com a possibilidade de ser salvo pelo governo.

Wagner em obra da UTC. Mas nós queremos Lula