Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

O Conselho de Ética do Senado parado é mais um dedo médio para nós

Na atual legislatura, iniciada em 2019, o colegiado se reuniu somente uma vez para definir presidente. Nem a composição está completa
O Conselho de Ética do Senado parado é mais um dedo médio para nós
Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

Após a baixaria, mais cedo, entre Renan Calheiros e Jorginho Mello na CPI da Covid, que trocaram xingamentos e quase saíram na porrada, o senador Otto Alencar, do PSD da Bahia, fez uma lembrança bastante pertinente.

“Infelizmente, o Conselho de Ética já não funciona há muito tempo aqui no Senado e tem processo que está aguardando que seja reunido [o colegiado], para, a partir daí, apreciar essas ações que são antiéticas.”

Nesta legislatura, o Conselho de Ética simplesmente não funcionou. Houve única reunião, em 25 de setembro de 2019, para a formação da cúpula do colegiado e só.

“Até então, só existe no papel”, disse a este site Angelo Coronel, do PSD da Bahia.

“Até agora, não vi uma denúncia que levasse o Conselho de Ética a estar reunido. Não consta na minha memória”, minimizou a situação Telmário Mota, líder do Pros, também titular do colegiado. Depois, o senador mudou de opinião: “Se tem denúncia, tem demanda. E se tem demanda, tem de ser apreciada”.

O senador Jayme Campos (DEM) é o presidente (foto). Veneziano Vital do Rêgo (MDB) é o vice-presidente. Entre titulares e suplentes, há 10 vagas que ainda nem sequer foram preenchidas pelos partidos.

Representações (são mais de 10) envolvendo senadores como Jorge Kajuru, Cid GomesFlávio Bolsonaro e Chico Rodrigues estão na gaveta esse tempo todo. Na época em que Rodrigues foi alvo de operação da Polícia Federal, revelamos a articulação nos bastidores para que ele não fosse julgado no Conselho de Ética, presidido — somente em tese, claro — por um correligionário seu.

Kajuru, por exemplo, virou alvo de representações em razão de críticas feitas a Davi Alcolumbre e a outros senadores de Goiás, e por ter gravado uma conversa com Jair Bolsonaro. O senador alega que suas declarações são protegidas pela imunidade parlamentar.

O Conselho de Ética do Senado parado é mais um dedo médio para os brasileiros. Leia mais aqui.

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO