O contador lisonjeado por trabalhar para ‘dona Marisa’

João Muniz Leite disse que tinha uma preocupação muito maior em não errar nas declarações de imposto de renda de Marisa Letícia.

Questionado sobre o cuidado em ‘bater informações’ das declarações de Marisa e Glaucos Costamarques referentes aos aluguéis do apartamento de São Bernardo, ele respondeu:

“Neste caso específico, claro que a minha preocupação era muito maior por se tratar da pessoa que era. Lógico, me senti lisonjeado por ter esse trabalho sobre a minha responsabilidade. Como eu tinha a oportunidade de checar os dois lados das informações, era óbvio que eu tinha como checar isso de forma mais rápida, para fazer o trabalho da forma mais correta.”

Veja aqui o depoimento de João Muniz Leite:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 10 comentários
  1. Ele preencheu os dados das declarações, à vista de documentos apresentados ou, por analogia. Segundo suas palavras, uma das declarações foi preenchida por analogia. Quebrem o sigilo fiscal e bancário desse contador.

  2. Foi ao HOSPITAL quando o bicho PEGOU, e assim Glaucos assinou todos de uma unica vez com canetas TROCADAS, para isso servem os contadores. A resposta é a quantidade de VISITAS do CONTADOR. E vale lembrar que o outro malandro entrou pelo PRONTO SOCORRO para não ser IDENTIFICADO.

  3. O que não cola nesse rolo de aluguel é que não há movimentação financeira que dê suporte ao pagamento. Querem nos fazer acreditar que todo dia 3o, durante anos, dona Marisa Letícia pegava 4500 reais em espécie no colchão, punha na bolsa e ia pagar o dono do apartamento? Nunca sacou esse dinheiro de lugar nenhum, nunca fez uma transferência bancária ou pagou através de cheque, que seja, e querem que o MP ou o juiz Moro acredite nessa fantasia forjada? Nunca neste país existiu uma inquilina melhor…

  4. Coloquem esse contador um tempinho em prisão preventiva e veremos uma série de cadáveres saindo das covas. Está claro que foi instruído por advogado e foi treinado para esse depoimento.

    1. Parece-me mais provável q o contador tenha sido um inocente útil, como qq outro mortadela. Nao valeria a pena q ele pusesse em risco toda a sua vida profissional por encobrir esta falcatrua mixuruca.