O crime eleitoral

Telegram

Michel Temer é uma estadista.

Ontem à tarde, segundo Andréia Sadi, ele se reuniu com os marqueteiros Elsinho Mouco e Antonio Lavareda porque quer usar a calamidade no Rio de Janeiro para “capitalizar politicamente”.

Os cadáveres dos cariocas são a nova modalidade de estelionato eleitoral.

Comentários

  • contribuinte -

    Não temos mais notícias. Temos fofocas.

  • Francisco -

    José Padilha, vivendo em Los Angeles, deve estar se divertindo com a situação do Rio de Janeiro. É a Tropa de Elite real e ao vivo! Vai ser premonitório assim... lá em Los Angeles! Padilha não precisa nem pensar em produzir o Tropa III, pois já está sendo rodado o docu-drama cujo elenco é formado por toda a população da ex-Cidade Maravilhosa. Ah, não há cachês para os figurantes e nem dublês. É tudo baseado em fatos reais... que estão acontecendo no momento. É só abrir a câmera e rodar. Hoje mesmo a moça filmou a chegada das tropas pela Avenida Brasil; a cena lembra a Síria ou uma movimentação do Exército Aliado contra o Estado Islâmico. O "novo" Rio de Janeiro localiza-se na Ásia Ocidental e faz fronteira com Líbano, mar Mediterrâneo, Iraque, Turquia, Jordânia e Israel.

  • Francisco -

    O Brasil é uma gigantesca piada pronta: Michel Temer não ouve ninguém, tem o ouvido mouco (como do marqueteiro Elsinho Mouco) e o outro assessor - Antonio Lavareda - é especialista em criar lavaredas nas campanhas políticas, com pesquisas fajutas e opiniões encomendadas. Essa dupla é fogo! Temer já ultrapassou muito a barreira do escárnio, mas faturar em cima dos cadáveres do Rio de Janeiro entrou no Hall da Fama da Bandidagem. Se quisesse consertar o Rio de Janeiro, o presidente teria que desalojar toda a quadrilha que o PMDB e PT puseram lá, começando pelo Governador, passando pelo prefeito omisso e, finalmente, exonerar o Poder Legislativo, composto somente por bandidos de grosso calibre. O Rio virou filme: é a Tropa de Elite real e ao vivo!

Ler 70 comentários