O desembargador contra o “seguro-propina”

O Valor noticia que a construtora Galvão queria, por meio de um processo de arbitragem, que uma seguradora cobrisse os custos de indenização com a Lava Jato de um ex-diretor seu pego pela operação.

Ao analisar o pedido e manifestar-se contra o encaminhamento do caso à arbitragem, o desembargador Cesar Ciampolini, do TJ de São Paulo, disse que a cobertura por parte da seguradora seria o equivalente a criar um “seguro-propina”.

“O criminoso não pode demandar direitos decorrentes de atividade criminosa”, completou Ciampolini.

Está certo. Que sirva mesmo de precedente.

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

  1. Fernando Costa da Silva disse:

    U2UgZm9zc2UgbyBCZWnnb2xhIC4uLi4uLi4uLi4uLg==

Ler comentários
  1. PNM disse:

    RXJhIG1lc21vIHPzIG8gcXVlIGZhbHRhdmEuIFRvZGFzIGVzc2FzIGVtcHJlaXRlaXJhcyBlbnZvbHZpZGFzIG5vIFBldHJvbONvIGUgb3V0cm9zIGVzcXVlbWFzIGRlIGNvcnJ1cOfjbyBjcmlhZG9zIHBlbG8gUFQgdGluaGFtIHF1ZSBzZXIgZGVzYXByb3ByaWFkYXMgZSBsZWlsb2FkYXMgcGFyYSByZXNzYXJjaXIgbyBlcuFyaW8gcPpibGljby4=

  2. josé rudi schnorr disse:

    QWR2b2dhZG9zIGRlbWFuZGFuZG8gZGlyZWl0byBhIHNlZ3VybyBzb2JyZSBwcm9waW5hLiBTZXLhIHF1ZSBjb2xhLiBBY2hvIHF1ZSBu428u