O documento que pode derrubar Dilma

Dilma Rousseff pode ser cassada. E o mérito é da Folha de S. Paulo.

Pedro Barusco disse na CPI da Petrobras que a SBM deu 300 mil dólares à campanha de Dilma, em 2010.

Uma reportagem de Leandro Colon, hoje, reproduz um documento que fortalece seu depoimento:

“No dia 7 de setembro de 2010, a menos de um mês do primeiro turno eleitoral, a SBM, com sede na Holanda, assinou um adendo de duas páginas ao contrato que mantinha desde 1999 com o brasileiro Júlio Faerman, então representante da firma no país. Ele é apontado como distribuidor de propinas na Petrobras”.

O adendo estipula o repasse de 311,5 mil dólares da SBM à Faerman Energia Ltda. por “serviços adicionais” relacionados a uma plataforma da Petrobras no Campo de Cachalote.

O pagamento foi feito através de uma subsidiária da SBM com sede nas Ilhas Virgens. É proibido financiar campanhas eleitorais com dinheiro de empresas estrangeiras. É proibido também embolsar propina.

A CPI da Petrobras tem o dever de se concentrar nesses fatos até que eles sejam esclarecidos.

(A cópia do documento obtido pela Folha de S. Paulo está aqui: http://media.folha.uol.com.br/poder/2015/03/14/addendum.pdf)

Júlio Faerman e os “serviços adicionais” para Dilma

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO