O enfraquecimento de Marcos Pereira e a autofagia do Centrão

A reforma ministerial que Michel Temer terá de fazer — pelas contas de hoje, 17 dos 28 ministros deixarão seus cargos até abril para se candidatarem em 2018 — vai provocar mais uma autofagia no Centrão.

As mudanças no comando das pastas, apurou O Antagonista, têm tudo para começar ainda em 2017 mesmo, principalmente se o PSDB (com quatro ministros) confirmar o desembarque do governo.

Marcos Pereira, ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, por exemplo, é um dos que devem sair antes da hora. Ele quer se lançar ao Senado pelo Rio de Janeiro pelo PRB, partido que preside e ao qual o atual prefeito da capital fluminense, Marcelo Crivella, é filiado.

Esse ministro, não se esqueçam, é aquele para o qual delatores da JBS dizem ter repassado 4,2 milhões de reais, inclusive em dinheiro vivo, para, em contrapartida, ganharem uma ajudinha na liberação de empréstimos pela Caixa Econômica.

No Planalto, a avaliação é de que o “PRB anda fraco demais” para ter uma pasta tão importante e, além disso, com um ministro tão enrolado.

PTB e Podemos, legendas também do Centrão, já estão a postos para indicar nomes.

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

  1. Fabricio disse:

    Só agora vocês notaram que vai haver um desembarque natural de vários ministros do Governo Temer? A saída vai ser sem trauma. O resto é fofoca e intriga.

Ler comentários
  1. Feche a torneira deles! disse:

    Rodrigo Maia tem que pôr ordem na casa. Com a ajuda de Temer. O Centrão precisa do "apoio presidencial" tanto quanto o inverso.

  2. Ricardo disse:

    CENTRAO DO CUNHA PROXIMAS ELEIÇÕES ESTARÃO TODOS DESEMPREGADOS

  3. José Eduardo Garcia de Souza disse:

    Esqueçam os "que delatores da JBS", Antagonistas. Depois das revelações da Folha, hoje, sobre as estrepolias do Marcelo Miller na armação da maracutaia de vocês - sobre as quais, até agora, nem um pio, comentário ou "boutade" foi dado ou feito por vocês - ela não vale a tinta com que foi impressa. Preocupem-se agora em montar a defesa do Janot, do Miller, do Pelella e do Fachin rapidinho, que o pessoal está à espera de boas gargalhadas. Valeu?