Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

O erro duplo de Bia Kicis sobre "computador chamado Nuvem"

Deputada está duplamente errada: não existe computador com esse nome, e serviço de contagem de votos funciona 'em casa' no TSE
O erro duplo de Bia Kicis sobre “computador chamado Nuvem”
Reprodução/TV Câmara/YouTube

A deputada federal Bia Kicis (PSL-DF), autora da PEC do Voto Impresso, voltou nesta segunda (5) a falar de um suposto “computador chamado Nuvem” da Oracle.

“Ela [a apuração de votos] não pode ser feita dentro de um sistema que ninguém consegue ver, ou dentro de uma sala, de um computador chamado Nuvem, que muitos acharam, né, que na época o TSE tinha contratado a nuvem da Oracle – não, é um computador, um supercomputador chamado Nuvem, que faz a contagem dos votos”, disse nesta segunda (5), à Comissão do Voto Impresso.

Bia Kicis já havia usado o termo “computador chamado Nuvem” na semana passada, em entrevista à Jovem Pan.

Em novembro de 2020, o TSE publicou nota informando que contratou da Oracle, para totalizar os votos na eleição, o serviço “Cloud at Customer” (Nuvem no Cliente) – que, como o próprio nome diz, consiste em fornecer computadores que ficam dentro do prédio do cliente.

Esses supercomputadores da Oracle ficam na sala-cofre do TSE.

Portanto, não apenas a Oracle não tem supercomputador “chamado Nuvem”, como o serviço que o TSE contratou para apuração de votos não é computação em nuvem tradicional, aquela que consiste em usar computadores fora das instalações da empresa.

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO