O exemplo positivo

Dois meses atrás, a juíza Célia Regina Ody Bernardes, que autorizou a busca no escritório de Lulinhazinho – e foi elogiada por Sergio Moro -, proibiu a Procuradoria da República de adquirir passagens aéreas em classe executiva nos voos internacionais.

Ela disse:

“O ato normativo impugnado é expressão do mais arcaico patrimonialismo, da privatização dos lucros e da socialização dos prejuízos, bem como da repugnante prática da autoconcessão de privilégios por parte das castas burocráticas às custas dos cidadãos pagadores de tributos. A parte autora tem razão quando afirma que os recursos utilizados para o pagamento de tal mordomia serão providos, de fato, pela população”.

Lula se danou.

Ele deu o azar de encontrar à sua frente uma juíza que combate tudo o que ele representa: o mais arcaico patrimonialismo, a privatização dos lucros, a socialização dos prejuízos e a repugnante prática da autoconcessão de privilégios por parte das castas às custas dos cidadãos pagadores de tributos.

Faça o primeiro comentário