O governo fecal

“É um governo de merda, mas é o meu governo”.

O presidente do PT, Rui Falcão, pronunciou a frase ontem à noite, repetindo o mote dos apoiadores de Salvador Allende.

No Chile, não deu muito certo, porque ninguém está disposto a se sacrificar para defender um governo reconhecidamente fecal. No Brasil, é provável que a história se repita.

Rui Falcão estava numa reunião com sindicalistas da CUT e anunciou o apoio do PT ao ato programado para o dia 31, “em defesa da Petrobras”.

Em vez de “O petróleo é nosso”, agora o PT proclama: “A merda é nossa”.

A merda é dele

200