O governo quer matar a Lava Jato

A Lava Jato vai acabar. Quem diz isso é o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo.

Há duas semanas, segundo a Veja, Cardozo recebeu em seu gabinete o advogado da empreiteira UTC, Sérgio Renault. Na reunião, que não constou da agenda oficial, ele disse a Renault “que a Lava Jato mudaria de rumo radicalmente, aliviando as agruras dos suspeitos de crimes como corrupção e lavagem de dinheiro. O ministro afirmou ainda que as investigações envolveriam nomes de oposicionistas, o que, segundo a tradição da política nacional, facilitaria a costura de um acordo para que todos se safem”.

Em seguida, Cardozo cometeu uma infâmia ainda maior do que a anterior, considerando o cargo que ocupa: ele desaconselhou a UTC a fechar um acordo de delação premiada.

Depois da reunião no ministério, representantes de UTC e Camargo Corrêa recuaram nas conversas com o Ministério Público, assim como a OAS. “Na quarta-feira (um dia depois do encontro em Brasília), fomos orientados a suspender as conversas com os procuradores”, confidenciou à Veja um dos advogados do caso.

O ministro da Justiça boicota a Justiça