O gueto moralista

Ciro Gomes continua a pisotear o cadáver de Lula.

Sobre a candidatura lulista em 2018, ele disse:

“Lula é muito forte, muito popular. Mas acho que ele prestará um desserviço ao país e a ele próprio. Na melhor hipótese, ele ganha. Porém, ganharia confrontando de uma forma odienta essa radicalização que se instalou no Brasil a ponto de firmar um golpe de estado em que tem ele como eixo. Ele deve por a sua liderança e o peso de sua história para dar passagem a um projeto novo, que experimente outros dizeres, outras relações, outra psicologia coletiva e não ficar se defendendo em um gueto moralista da delegacia de polícia que se transformou a política brasileira”.

Na verdade, Ciro Gomes quer que o gueto moralista prenda Lula e que o rebotalho da esquerda caia em seu colo.

Faça o primeiro comentário