"O mais provável é que tenha sido uma execução"

Telegram

Imagens do cadáver de Adriano da Nóbrega fortalecem a suspeita de queima de arquivo, diz a Veja.

Dois médicos legistas que analisaram as fotografias do corpo autopsiado do miliciano evidenciaram os sinais de que ele foi abatido com tiros disparados a curta distância.

Sem saber a identidade do morto, ex-diretor do Instituto Médico Legal do Distrito Federal citou as “marcas vermelhas localizadas próximas da região do peito, chamadas pelos peritos de ‘tatuagem’, que indicariam um tiro a curta distância. ‘É um disparo a uma distância na qual a pólvora ainda tem energia cinética suficiente para adentrar o corpo. Então, foi um disparo a curta distância. O que é a curta distância? Depende da arma e da munição. Seriam 40 centímetros, no máximo, imaginando um revólver ou uma pistola”.

Basta de atritos com Bolsonaro. LEIA AQUI

Questionado se as marcas indicariam uma troca de tiros ou uma execução, ele respondeu:

“Com esse disparo tão próximo, o mais provável é que tenha sido uma execução. Mas tem de analisar com mais detalhes.”

Comentários

  • Regildo -

    A quem interessa/

  • Rosângela -

    A coisa está ficando pior a cada dia que passa. Ter sido uma execução em um Estado governado pelo PT é significativo.

  • José -

    Quanta preocupação com um bandido morto! E a imprensa o que tem a ver com isso?

Ler 50 comentários