"O mais provável é que tenha sido uma execução"

Imagens do cadáver de Adriano da Nóbrega fortalecem a suspeita de queima de arquivo, diz a Veja.

Dois médicos legistas que analisaram as fotografias do corpo autopsiado do miliciano evidenciaram os sinais de que ele foi abatido com tiros disparados a curta distância.

Sem saber a identidade do morto, ex-diretor do Instituto Médico Legal do Distrito Federal citou as “marcas vermelhas localizadas próximas da região do peito, chamadas pelos peritos de ‘tatuagem’, que indicariam um tiro a curta distância. ‘É um disparo a uma distância na qual a pólvora ainda tem energia cinética suficiente para adentrar o corpo. Então, foi um disparo a curta distância. O que é a curta distância? Depende da arma e da munição. Seriam 40 centímetros, no máximo, imaginando um revólver ou uma pistola”.

Questionado se as marcas indicariam uma troca de tiros ou uma execução, ele respondeu:

“Com esse disparo tão próximo, o mais provável é que tenha sido uma execução. Mas tem de analisar com mais detalhes.”

Comentários

  • Regildo -

    A quem interessa/

  • Rosângela -

    A coisa está ficando pior a cada dia que passa. Ter sido uma execução em um Estado governado pelo PT é significativo.

  • José -

    Quanta preocupação com um bandido morto! E a imprensa o que tem a ver com isso?

Ler 52 comentários