​O naco do PMDB na Custo Brasil

O delator petista Alexandre Romano já havia revelado que empresas ligadas a PT e PMDB dividiam a propina proveniente dos empréstimos consignados, alvo da Operação Custo Brasil.

A Consist, ligada ao PT, tinha sua correspondência na Consucred, do PMDB – leia aqui.

O procurador Andrey Borges de Mendonça deu mais detalhes ao Estadão: “Essa empresa (Consucred) não tem qualquer capacidade para receber os valores que recebeu. Desde 2010 até hoje, ela recebeu mais de R$ 34 milhões. A própria Receita Federal identificou que a empresa não tem estrutura”, disse.