O novo Banco Central quer limitar a fiscalização de parentes de políticos?

Há uma semana, o Banco Central colocou para consulta pública, como parte de atualização das normas para combater a lavagem de dinheiro, a proposta de excluir parentes de políticos da lista de monitoramento obrigatório das instituições financeiras.

A autarquia propõe ainda derrubar a exigência de que todas as transações bancárias acima de 10 mil reais sejam notificadas ao Coaf, acrescenta a Folha.

Sergio Moro acaba de comentar o assunto com jornalistas em Davos: o ministro disse que pode ser “uma má ideia”, mas ponderou que certamente “eles têm boas intenções”.

O seu sossego depende do sucesso de Sergio Moro. Leia aqui

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 77 comentários
    1. É,acho q ele vai tentar implantar algumas medidas de alteração no CPP se ver q não consegirá,Aguarda vaga no STFou sai antes e vai ganhar MUITO+💰 no mercado Advogando a peso de OURO📀

  1. monitoramento de parentes de politicos sem causa que a motive creio que não deve ter. Monitoramento de valores acima de 10 mil é inocuo, tai os doleiros para comprovar. Melhor investigação

  2. É uma medida”taylor made”pra proteger a FAMILIA do BOLSO especificamente do FLAVIO BOLSO q está todo enrolado,com isso blindam TUDO e o governo fica apenas com a suspeita de ser Corrupto😩

  3. Absurdo. Se com esta regra o Coaf já não funciona “para todos”, como ficará então se os bancos decidirem o que fazer… Tem bancos brasileiros aliados do crime organizado e o Moro sabe disso. En

  4. Tem bolsominion que defenda ainda? Não quero acreditar nisso, é o hora do povo começar a se aglutinar de novo pra derrubar essa quadrilha que se instalou no poder. Tiramos PT vamos tirar Bolso

  5. Para um governo que está fazendo pente fino nos beneficios do cidadão, mas se recusa a fazer um pente fino nas pensões das filhas “solteiras”, dizendo que há “direito adquirido ” numa fraude..

  6. Tá ruim! Parente de políticos são prioridade na monitoração e pelas últimas notícias a prática precisa se entender aos funcionários dos políticos tb. Os bolsomitos concordam com isso?