"O número de militares da ativa no governo pode trazer alguma confusão de imagem"

“O número de militares da ativa no governo pode trazer alguma confusão de imagem”
***ARQUIVO*** BRASÍLIA, DF, 20.05.2019: O ministro da Secretaria de Governo, general Carlos Alberto dos Santos Cruz. (Foto: Mateus Bonomi/AGIF/Folhapress)

O general Santos Cruz, em entrevista ao Estadão, repudiou os atos bolsonaristas que pedem o golpe militar:

“São manifestações manipuladas e estimuladas por alguém. Mas, para pressionar o Exército a tomar uma decisão fora da legislação, não tem como. O Exército não funciona baseado nesse tipo de pressão.”

Ele disse também que os cinco generais da ativa que integram o governo acabam causando confusão na imagem das Forças Armadas:

“Os militares, normalmente, têm preferência política e candidato. Mas, quando põem a farda e representam a instituição, têm a cultura de seguir. Isso é disciplina interna. Ninguém discute política partidária no quartel. As coisas são separadas e bem orientadas pelos comandantes. Quanto ao número de militares da ativa, isso pode trazer alguma confusão de imagem. Quem é da ativa e está prestando serviço em altos postos da administração tem a obrigação de estar alinhado com assuntos de governo. E causa confusão (…).

As tarefas que estão desempenhando não são missões militares. Não têm nada a ver com as Forças. Não está cumprindo missão coisa nenhuma, está em função na qual empenhou sua responsabilidade individual, não institucional. Isso aí tem normas e os comandantes e o ministro da Defesa são responsáveis pela interpretação. É sempre conveniente a separação para não fazer confusão de imagem.”

Leia também: EXCLUSIVO: MORO ATACA
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 37 comentários
TOPO