“O ônus da prova compete sempre a quem acusa”

Diz Ricardo Lewandowski, em suas críticas às conduções coercitivas.

O ministro afirma que “ninguém pode ser constrangido a produzir prova contra si mesmo” e acrescenta que o Estado “não pode tratar investigados como condenados”.

Comentários temporariamente fechados.

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Ler mais 10 comentários
  1. CLÁUDIA CRUZ.
    ANDRÉIA NEVES SOMENTE FOI PARA A CADEIA (por pouco tempo) POIS SEU PROCESSO ESTAVA NO STF E NAO EM CURITIBA.

    INCLUSIVE EM CURITIBA QUADO É PARA PROCESSOS CONTRA PSDBista ELES ALEGAM QUE ESTAO CANSADOS.

  2. não precisa acompanhar até o final, com o voto de Minerva antecipado da Sra. Weber, dará 6 a 5 contra as coercitivas.
    Mas quem quiser assistir a um triste espetáculo dos ministros do STF confundindo as bolas, OK.

  3. Esses f;d.p’s vão acabar por considerar aS conduções coercitivas inconstitucionais só porque estão sendo aplicadas contra políticos e empresários corruptos. M,I.N;S,T.R;O,S S,A.F;A,D.O;S.

  4. O ministro afirma que “ninguém pode ser constrangido a produzir prova contra si mesmo”.
    O mesmo argumento deveria valer, então, para que não seja atendida uma intimaçã0 para depor.

  5. Caso a PF não levasse coercitivamente o lula para o aeroporto, os militantes na espreita fariam o diabo para proteger o investigado, assim como fizeram quando o condenado era o para ser preso e o protegeram no sindicato. A coercitiva no investigado lula não deu margem para espetacularização dos militantes, pois só depois de algum tempo vazou a informação que ele estava no aeroporto. Foi um drible a lá Neymar