O plano B de Dilma

Dilma Rousseff, para se defender da Andrade Gutierrez, vai jogar a culpa em Aécio Neves.

Se isso der errado, ela tem um plano B: queimar Edinho Silva.

Conta Gerson Camarotti:

“No governo, assessores revelam que Edinho chegou a levar um chá de cadeira de uma hora quando passou na sede da construtora durante a campanha eleitoral para acertar uma doação. O episódio gerou um incidente na campanha. Na ocasião, o então tesoureiro deixou o local antes de ser recebido por Otávio Azevedo. O executivo ainda tentou alcançar Edinho Silva quando ele entrava no elevador, mas o tesoureiro não quis voltar”.

O achaque, portanto, não foi um achaque, e sim uma explosão de ira de Edinho Silva.

Vai colar? Não, não vai.

– Giles Azevedo, chefe de gabinete de Dilma Rousseff, participou do encontro com a Andrade Gutierrez.

– A campanha recebeu 21 milhões de reais da empreiteira, mas pediu 100 milhões de reais, por dentro e por fora.

– Edinho Silva e Giles Azevedo, para obter o dinheiro, esfregaram na cara da Andrade Gutierrez seus contratos com a Petrobras e com o governo.