O PMDB e o certo para retomar o errado

O encontro entre o ministro-júnior da Fazenda, Joaquim Levy, e os chefões do PMDB, ontem, no Palácio do Jaburu, foi indigesto, segundo Gerson Camarotti, no G1.

Joaquim Levy queria o apoio do partido para o ajuste fiscal. Ouviu de Renan Calheiros, presidente do Senado, o seguinte: “O que o governo vai fazer por esse ajuste? Seria importante cortar boa parte dos cargos comissionados e reduzir o número de ministérios. O governo precisa também fazer um gesto por esse ajuste fiscal. Não adianta só cobrar ajuda do Congresso.”

Michel Temer, vice-presidente da República, reclamou que só lembravam dele nas horas ruins. E afirmou: “O PMDB está no limite da governabilidade. Se em 60 dias não mudar a relação, eu não terei mais como influir no processo.”

O Antagonista acha que, quando Renan Calheiros critica gastança do governo e Michel Temer faz ameaça, é porque o erro está tão errado que só resta apontar o certo para retomar o caminho do erro menos errado.

Faça o primeiro comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

1200