“O presidente está arriscando demais e muito cedo”

Telegram

Carlos Pereira, cientista político e professor da FGV, disse ao Estadão que Jair Bolsonaro, ao adotar uma estratégia de “confronto” no começo de mandato, está se “arriscando demais e muito cedo”.

“O grande problema dessa estratégia é que normalmente só dá resultado para o presidente no curto prazo. Ao longo do tempo, quando o presidente estressa demais essa relação com o Legislativo, que se sente ignorado e pressionado, e no momento em que o presidente mostra alguma vulnerabilidade política, na economia ou caso de corrupção, o presidente corre sério risco de perder a capacidade de estabelecer os termos de negociação. O Legislativo passa a ter o poder de barganha e os custos de governabilidade se tornam muito altos. O presidente está arriscando demais e muito cedo em uma estratégia de confronto e isso tende a criar animosidade, problemas e uma relação truncada com o Legislativo.”

Comentários

  • Massaaki -

    Se partir para o confronto e isso se tornar quase institucional, ele perderá apoio crucial para um eventual impeachment que por hora é apenas conjectura, mas que pode se tornar real a depender...

  • Presidente-XVII -

    A política não é um mercado de compra e venda de votos por cargos e verbas extras! Isso é toma lá dá cá. Fisiologismo. Isso corrompe a separação dos poderes! Jair Bolsonaro tá certo!

  • Paulo -

    É o legislativo que está em constante confronto com o presidente. Basta ver o pacote anticrime do Moro que não anda na Câmara, e quando andar vão destroçá-lo.

Ler 34 comentários