ACESSE

O privilégio da impunidade

Telegram

A tentativa frustrada da polícia de obter provas no gabinete de José Serra reacende a discussão sobre o foro privilegiado, informa a Crusoé.

Após a liminar de Dias Toffoli que proibiu a entrada de policiais no gabinete do senador, a ação será encaminhada a Gilmar Mendes em agosto, após o recesso do Judiciário.

“Espera-se que, então, um debate premente, menosprezado pelos políticos, seja reaberto: o fim do foro privilegiado”, diz a Crusoé.

“Há mais de uma década, setores da sociedade mobilizam-se para acabar com o mais indecente dos incontáveis privilégios das autoridades brasileiras — hoje, mais de 55 mil autoridade usufruem da benesse. Entre avanços e recuos, o Congresso começou a discutir o tema e, após muita pressão da opinião pública, a extinção do benefício passou pelo Senado. Mas, com a miríades de interesses suprapartidários contrários à mudança, a proposta de emenda à Constituição emperrou na Câmara.”

Leia a reportagem completa aqui.

Leia mais: Por que 'Gilmar não vai derrubar Bolsonaro'

Comentários

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 29 comentários