O problema não são as escutas. São os embargos auriculares

Ainda sobre Demóstenes Torres: os grampos que o flagraram foram autorizados por um juiz de primeira instância. Quando a bomba explodiu para cima do ex-senador, a sua defesa alegou, no TRF, que não havia elementos suficientes para a autorização das escutas quando ela foi concedida. O argumento perdeu por dois votos a um.

O caso subiu, então, para o STJ, sob a batuta do indefectível Kakay. Se Demóstenes Torres ficar livre, será por uma interpretação política, visto que os crimes do ex-senador ficaram sobejamente provados, por meio de escutas autorizadas e validadas em duas instâncias. Se Demóstenes Torres ficar livre, O Antagonista acha por bem anular as condenações de Carlinhos Cachoeira. Questão de isonomia.

No caso de Demóstenes Torres, o problema não são as escutas. São os embargos auriculares.

Faça o primeiro comentário