O propinoduto da Abreu e Lima

Márcio Faria da Silva, ex-diretor e delator da Odebrecht, confirmou hoje em depoimento a Sergio Moro que houve “divisão de mercado” e pagamento de propinas nas obras da refinaria Abreu e Lima, no âmbito do consórcio para construção da UDA (unidade de destilação atmosférica) e HDT (unidade de hidrotatamento de diesel).

“Nós pagamos vantagens indevidas a agentes públicos, sendo que houve uma divisão.”

Para Alberto Yousseff e José Janene foram 30 milhões de reais. Para Paulo Roberto Costa, 15 milhões de reais.

Também foi paga uma quantia a Pedro Barusco, da Diretoria de Serviços da Petrobras. “Ele [Barusco] tinha uma divisão entre o que ele chamava de ‘casa’ e o PT.”

Márcio Faria também confirmou cartel e pagamento de propinas no contrato — em parceria com a UTC e a Mendes Júnior — para a construção do pipe reck, o suporte para as tubulações de interligação do Comperj.

Assista:

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler comentários
  1. Quanta disse:

    RXNzYSBtaXNlcuF2ZWwgZGEgQWJyZXUgZSBMaW1hIGlsdWRpdSBtdWl0YSBnZW50ZS4gSm92ZW5zIHF1ZSBzZSBxdWFsaWZpY2FtIGUgbGV2YXJhbSB1bSBw6SBubyB0cmFzZWlyby4=

  2. E disse:

    RSBwYXJhIG9zIGNvbXVuaXN0YXMgZG8gRm9ybyBkZSBT428gUGF1bG8gZG8gUFNCLCBxdWFudG8gZm9pPw==

    1. TyBQU0IgZGUgUGVybmFtYnVjbyBlIG8gUFQgYWdpcmFtIGNvbW8gaWVuYXMsIHNhcXVlYW5kbyBvIGRpbmhlaXJvIHD6YmxpY28u