O “provolone” dos restaurantes

Três restaurantes da Zona Sul do Rio de Janeiro são suspeitos de fornecerem alimentos “gourmet” para presos da Lava Jato no estado.

“Nós recebemos uma informação de que estavam ingressando alimentos oriundos de restaurantes para a alimentação dos presos das operações Calicute, Lava Jato, C’est Fini”, disse a promotora do Ministério Público estadual Elisa Fraga à GloboNews.

Entre os alimentos que entraram de forma irregular na cadeia de Benfica, na Zona Norte, estão camarão, bacalhau, queijo de cabra, presunto importado e risoto de frango.

A promotora explicou que, das celas 1 a 9 do presídio – onde estão os detentos da Lava Jato – havia embalagens similares, com alimentos também parecidos, o que reforça a suspeita do MP de que os fornecedores seriam os mesmos.

Elisa Fraga lembrou ainda que é permitido que parentes levem refeições prontas aos detentos, mas alimentos in natura, ou seja, que ainda não estão cozidos, como camarões, são proibidos.

Leia mais aqui:

O “provolone” de Cabral

 

 

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 25 comentários
  1. Esse Jacob Barata vai comer o provolone todinho sem que os outros saibam.
    E no escondidinho. No escuro. À noite. Sem fazer qualquer barulho.
    Quando chegar a manhã, dirão:
    — Cadê meu queijo?…

  2. Pô, os caras já estão presos! Ficar vigiando o que eles comem já é vinganca e mesquinharia.
    Pelo menos eles tem um monte de picas de presidiários à disposição.
    Já é um consolo.
    Aíííííí que inveja!

    1. A lei deve ser cumprida na sua totalidade… discordar disso significa promover injustiças.
      Não tenho bandido de estimação… se não querem ir para cadeia, porque o ambiente é ruim, basta não roubar. Simples assim.

  3. Pelo jeito, os condenados ligavam com seus celulares para o serviço de delivery dos restaurantes, faziam os pedidos, o pessoal da portaria avisava quando a encomenda chegava e viva o Brasil.

  4. Todos esses bandidos da quadrilha do Cabral deveriam ser imediatamente transferidos para presídios de segurança máxima longe do Estado do Rio de Janeiro, que continua governado pela mesma quadrilha que está presa em Benfica! Qualquer criança sabe disso!
    A permanência dessa gente no mesmo lugar é uma afronta com a sociedade fluminense, o MPF e o Poder Judiciário terão que tomar uma atitude rápido!

  5. De repente esses restaurantes estão alimentando a gangue do Cabral de graça , já que ele concedeu anistia fiscal pra quase todo o Rio de Janeiro. Olha o rombo que deixaram no estado. Cabral sempre foi muito generoso , pois sabia que poderia precisar dessa turma no futuro.

  6. Todos queriam ver Cabral e sua gang dos guardanapos comendo marmitex de alumínio e usando a tampa dobrada como colher, não? Ocorre que seu Chefe de Carceragem é o Coronel Erir Costa Filho, esqueceram? Aquele que ficou mais de 2 anos como Capacho, ops.. Comandante da PM durante seu governo. Vcs pensam que estão aonde? No Canadá? No Japão? No Reino Unido? Nã, nã, ni, na, não… aqui é Brazuela!!!!

  7. ANTAGONISTAS QUEM É O DIRETOR DA PENITA… ELE SE MANIFESTA, NÃO FALA NADA… E O MANDATÁRIO PEZÃO, E O SECRETÁRIO DA SEGURANÇA… HUM….
    TEMPOS ESTRANHOS…

  8. Restaurantes suspeitos de fornecer comida?!?1?!?!?!!
    Pô, Antagonistas! Menos, menos.
    Restaurantes fornecem comida para qualquer um que se disponha a pagar por ela. Quem paga pela comida faz o que quiser com ela: come, joga fora, dá aos pobres, leva para a cadeia. Neste último caso, a única suspeita que pode ser levantada é contra os agentes penitenciários, que, supostamente(?), permitiram a entrada das guloseimas no presídio.
    ====================
    A propósito de bacalhau e camarão, um dos fornecedores pode ser do Campo de São Cristóvão, mais próximo de Benfica.

  9. Isso foi o que pegaram na cela, mas com certeza deve ter uma cantina recheada de bons comíveis.
    Cabral e outros devem estar todos rindo da apreenção e se fartando no bem comer.
    Como ‘bons’ políticos agradaram gregos e troianos.