O PSDB morreu, mas continua a engalfinhar-se

Ontem, o diretório municipal de São Paulo do PSDB, dominado por João Doria, expulsou Alberto Goldman e Saulo de Castro Abreu, depois de acusar o primeiro de ter apoiado Paulo Skaf e o segundo, Márcio França, na disputa pelo governo de São Paulo.

O PSDB nacional recusou a expulsão, porque o diretório municipal não tem competência para isso, uma vez que Goldman pertence ao diretório nacional e Saulo de Castro Abreu, ao estadual.

O partido morreu, mas continua se engalfinhando.

Bolsonaro x Haddad: o que a grande imprensa não conta para você está AQUI

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 26 comentários
  1. Bobagem, o PSDB não morreu, assim como o PT não morreu na ultima eleição. É só ganhar 4 das 6 eleições em disputa no segundo turno que ainda será forte (RS, MG, MS, RO, RR, SP). O resto é to

  2. O Doria está fazendo sua agenda com base nas opiniões dos eleitores históricos do PSDB. O resto dos caciques do PSDB simplesmente abandonou seus eleitores históricos. Resultado: desempenho pífio.

  3. Brigam até depois da morte. Estão brigando no Inferno. O A. Goldman é um picareta, é amigo daquele corrupto, o José Serra. Os cabeças brancas do PSDB são petistas, são corruptos.

  4. Escutei um chororô de Goldman. Parece que ele tem cargo na partido há umas 3 décadas! Se entendi bem, chamou um dos Presidenciáveis (JB) de fascista. Ninguém quer perder boquinas de anos, claro.

  5. Eles ainda estão pensando se é o caso de dar uma guinada liberal sob nova direção ou se preferem ir pro túmulo ao lado de Karl Marx. Provavelmente vão escolher a segunda opção.