"O PSL tinha dinheiro, mas não tinha poder"

Mesmo com a segunda maior fatia do fundão — R$ 199,4 milhões –, o PSL ganhou apenas em 92 cidades, nenhuma capital.

“O dinheiro é relativo. O PSL não é um partido que tem poder. Tinha dinheiro, mas não tinha poder”, disse Luciano Bivar, presidente nacional da legenda, ao Estadão.

Bivar também afirmou que Jair Bolsonaro, nas eleições municipais, foi “muito mal assessorado”.

Em Recife, por exemplo, o presidente, na avaliação de Bivar, apoiou uma candidata — Delegada Patrícia (Podemos) — que “não tinha a menor condição”.

“Isso é pura falta de assessoria. Ele não sabia nem quem era a pessoa. Se desgasta de graça por causa de mau assessoramento.”

Delegada Patrícia ficou em quarto na corrida pela Prefeitura da capital pernambucana.

Leia mais: A revista que fiscaliza TODOS os poderes e conta com os melhores colunistas do Brasil.
Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 18 comentários
TOPO