Assine
Acesse
Acesse o Antagonista+ Acesse a Crusoé

"O que mudou na relação promíscua entre os Poderes?", pergunta Alvaro, após verba extra do MDR revelada por O Antagonista

“O que mudou na relação promíscua entre os Poderes?”, pergunta Alvaro, após verba extra do MDR revelada por O Antagonista
Foto: Pedro França/Agência Senado

O senador Alvaro Dias, líder do Podemos, alfinetou hoje Jair Bolsonaro após a divulgação dos dados, por O Antagonista, sobre a liberação de verba extra do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) no fim do ano passado.

“É para dar prosseguimento a essa esbórnia que o presidente faz acordo com comandantes do Legislativo para a derrubada do seu próprio veto, que significará o derrame de mais R$ 15 bilhões?”, perguntou o senador.

Alvaro estava se referindo à votação do Veto 52 ao Orçamento — entenda aqui –, que ficou para depois do carnaval. O governo fechou um acordo com o Congresso, segundo suas lideranças, para que seja derrubado um veto específico, garantindo, assim, que os parlamentares tenham um maior controle sobre as verbas da União.

“Em Brasília, estão dando as mãos a chantagistas e a chantageados? Quando vamos mudar? Afinal, já houve maior toma-lá-dá-cá do que esse? Está na hora de autoridades do Executivo e Legislativo tirarem a máscara. O que mudou em relação ao passado recente na relação promíscua entre os Poderes?”.

Como temos mostrado em uma série de reportagens exclusivas desde ontem, R$ 3,8 bilhões alocados em PLNs e aprovados numa série de rápidas votações já saíram do MDR nos últimos dias do ano passado carimbados por caciques partidários em convênios direcionados a atender interesses paroquiais, como revitalização de praças, pavimentação de ruas e construção de pontes.

Esses convênios foram negociados diretamente no ministério pelo grupo de líderes partidários ligados preferencialmente a Davi Alcolumbre – sem critério conhecido e em detrimento da maioria dos parlamentares.

Leia também:

Exclusivo: aliança DEM-PDT garantiu 292 milhões de verba extra do MDR para o Maranhão

Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO