O RISCO DE O STF NÃO IMPEDIR A REELEIÇÃO DE ALCOLUMBRE E MAIA

O RISCO DE O STF NÃO IMPEDIR A REELEIÇÃO DE ALCOLUMBRE E MAIA
Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF

O deputado Marcelo Ramos (PL), um dos pré-candidatos à sucessão de Rodrigo Maia, escreveu uma série de mensagens no Twitter com um alerta sobre o risco de o STF autorizar a reeleição de Davi Alcolumbre e do atual presidente da Câmara — o julgamento vai começar no próximo dia 4.

A Constituição é claríssima ao vedar a recondução aos cargos da Mesa Diretora na mesma legislatura. O texto não deixa margem alguma para outra interpretação: “Cada uma das Casas reunir-se-á em sessões preparatórias, a partir de 1º de fevereiro, no primeiro ano da legislatura, para a posse de seus membros e eleição das respectivas Mesas, para mandato de dois anos, vedada a recondução para o mesmo cargo na eleição imediatamente subsequente”.

O que Ramos descreve é uma preocupação de muitos nos bastidores do Congresso — mas esses muitos não querem dizer o que pensam para não ficarem mal com Maia e Alcolumbre.

Eis o alerta de Marcelo Ramos:

“Todos sabem o apreço, respeito e reconhecimento que tenho aos presidentes Davi e Rodrigo, mas não podemos brincar com a Constituição. A CF é o que nos dá estabilidade jurídica, política e institucional. Afrontá-la e ultrajá-la é colocar em risco nossa estabilidade democrática.

Sinceramente, quero acreditar que prevalecerá o compromisso dos ministros do STF com a preservação da Constituição que, repito, é expressa e literal na vedação a possibilidade de reeleição dentro da mesma legislatura.

A questão não é quem poderá se beneficiar da decisão, a questão é que autorizar reeleição abrirá um precedente para reeleições eternas em todos os Poderes.

Não há malabarismo jurídico possível pra autorizar reeleição na Câmara e no Senado sem ultrajar a Constituição Federal. Essas decisões de conveniência sempre cobram caro no futuro.

O STF é o guardião da CF, quando ensaia autorizar ou relativizar a reeleição dos presidentes da Câmara e do Senado, contra vedação literal e expressa do texto constitucional, abre um precedente perigoso para o país e para si. Quero crer que os ministro preservarão suas biografias.

O mais inusitado: o dispositivo que veda a reeleição na Câmara e Senado na mesma legislatura está na Constituição desde de 1988 – há 32 anos – já foi confrontado algumas vezes no STF e só agora descobriram que é “inconstitucional”. É o oportunismo judicial reescrevendo a CF.

Um dispositivo constitucional só pode ser inconstitucional se contrariar cláusula pétrea. Como diria Ayres Brito, o STF dará um ‘duplo twist carpado’ na Constituição.”

Leia mais: Assine a Crusoé e apoie a o jornalismo independente.
Mais lidas
  1. Bolsonaro: leite condensado é para 'enfiar no rabo' da imprensa

  2. Médica de Rondônia ri de intubação de pacientes

  3. Neymar pai no 'churrasco de leite condensado'

  4. Mensagens de WhatsApp revelam que militares bolsonaristas perderam a chance de comprar vacinas

  5. Emendas extras liberadas pelo governo beneficiam aliados de Bolsonaro

Mais notícias
Comentários
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem. Em respeito a todos os leitores, não são publicados comentários que contenham palavras ou conteúdos ofensivos. Tempo de publicação: 4 minutos
Ler 53 comentários
TOPO