O show de transparência de Savonarola

“O Departamento de Justiça dos Estados Unidos deu um show de transparência, objetividade e rapidez”, disse Mario Cesar Carvalho, da Folha de S. Paulo.

“Informações consolidadas e claras sobre duas companhias brasileiras, a Odebrecht e a Braskem, foram organizadas de maneira que era desconhecida no Brasil”.

Sim, era desconhecida no Brasil. Mas a Lava Jato mudou o padrão.

“Moro tem a velocidade e a logística de trabalho similares a um juiz americano.

Os procuradores de Curitiba já fizeram apresentações anedóticas, como a do Power Point sobre o ex-presidente Lula, no que foi um ponto fora da curva”.

Quando isso aconteceu, a Folha de S. Paulo tratou o Power Point como “espetaculoso” e os procuradores de Curitiba como Savonarolas.

Na verdade, porém, foi um show de transparência.