"O Supremo não tem representatividade para mudar a Constituição"

A advogada Angela Vidal Gandra Martins, que defenderá no STF a manutenção do aborto como crime, respondeu ao Globo por que não descriminalizar a prática até a 12ª semana de gestação, alegando, “em primeiro lugar”, que o local desse debate é o Congresso Nacional.

“A vida é um direito fundamental, reconhecido e protegido pelo estado. Nesse debate especifico, em primeiro lugar, um partido [o PSOL é autor da ação que pede a descriminalização do aborto] tem que debater o tema entre os seus iguais. É um paternalismo recorrer ao Judiciário para pedir uma questão que não foi discutida com o nível de representatividade do Direito. Acho inócuo recorrer ao Judiciário, contra um dispositivo que está em vigor há 30 anos (a Constituição) que acolheu o Código Civil de 1940. O aborto foi discutido pelos constituintes e não foi acolhido pela Constituição, não existe um direito constitucional ao aborto. O partido desloca o debate com um reforço de um monte de órgãos de saúde que aproveitam a discussão para veicular notícias fake. Esse debate tem que ocorrer num espaço democrático, o Supremo não tem representatividade para mudar a Constituição.”

“Se de fato não quer ter um filho, diz não para a relação”

Comentários

  • S -

    ABORTO É ASSASSINATO, A S S A S S I N A T O!!!!!!! NAO METODO ANTICONCEPCIONAL!

  • Regina -

    Sou a favor da manutenção da legislação atual com alguns adendos:anomalias graves,risco de morte materna e vítimas de estupro.

  • Regina -

    Nesse quesito concordo com ela.O debate deve ocorrer no congresso.O STF não tem poder para legislar e está invadindo a competência de outro poder.Quanto a ser a favor ou contra já vi de tudo,até coisa que Deus duvida.

Ler 56 comentários