O tango dos irritados

O presidente do Senado, Renan Calheiros, do PMDB, está irritado porque o seu nome está na lista de Rodrigo Janot. Renan Calheiros está irritado porque Dilma Rousseff, sob os auspícios de Alozio Mercadante, quer esvaziar o PMDB por meio do novo partido de Gilberto Kassab. Renan Calheiros está irritado porque Dilma Roussef quis passar com medida provisória a elevação dos impostos sobre a folha de pagamentos das empresas. Renan Calheiros está tão irritado com Dilma Rousseff que não compareceu ao jantar que ela ofereceu ao PMDB.

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, do PMDB, está irritado porque o seu nome está na lista de Rodrigo Janot. Eduardo Cunha está irritado porque isso prejudica o seu projeto pessoal de poder. Eduardo Cunha está irritado porque enxerga no petista Pepe Vargas, ministro das Relações Institucionais de Dilma Rousseff, um traidor miserável.

O senador Aécio Neves, do PSDB, elogiou Renan Calheiros por ele ter devolvido ao Planalto a medida provisória que aumenta os impostos sobre a folha de pagamentos das empresas. Aécio Neves disse que “a situação é grave porque o governo federal agiu sempre de forma absolutamente autoritária e submeteu esta Casa a suas vontades”.

O senador José Serra, do PSDB, também elogiou Renan Calheiros por ele ter devolvido ao Planalto a medida provisória que aumenta os impostos sobre a folha de pagamentos das empresas. José Serra disse que a decisão era “histórica”. José Serra quer muito conhecer Eunício Oliveira.

Ao contrário do que O Antagonista imaginava, porque cabeças coroadas do PMDB foram postas a prêmio no petrolão, pode ter aumentado a chance de Dilma Rousseff ir para o patíbulo, juntamente com os companheiros petistas. Antes ela do que eles. Porque cabeças coroadas do PMDB foram postas a prêmio no petrolão, talvez tenham descoberto, finalmente, que a diferença entre PMDB e PSDB é somente uma letra na sigla.