O tanque cheio de Fernando Collor

Caminhoneiros bloquearam estradas em sete Estados para protestar contra o aumento do diesel.

Ao mesmo tempo, Fernando Collor foi acusado de receber propina de 3 milhões de reais numa negociata envolvendo a BR Distribuidora, que comercializa óleo diesel, e uma rede de postos de gasolina.

A propina foi paga em dinheiro vivo, recolhido nos próprios postos de gasolina. Se isso for verdade – e a denúncia é de Alberto Youssef, que é legalmente obrigado a dizer a verdade – uma nota de 50 reais pode ter passado do bolso de um caminhoneiro para o bolso de Collor. Diretamente. A mesma nota. Para comprar óleo diesel.

O sindicato de caminhoneiros prometeu bloquear mais estradas. Compreende-se.

Caminhoneiros atearam fogo

nos bonecos de Dilma e Lula