O TSE e a obrigação moral

Na semana passada, O Antagonista ouviu de um senador que o TSE só julgaria a ação de impugnação do mandato eleitoral de Dilma Rousseff em meados de 2017.

Agora, com as informações enviadas por Sergio Moro ao tribunal, mostrando que houve o uso de propina do petrolão para doações eleitorais registradas, como é o caso dos 4 milhões de reais dados ao PT de João Vaccari Neto, os ministros do TSE têm a obrigação moral de acelerar os prazos do julgamento.

Sim, obrigação moral: ela ainda existe, apesar do esforço das autoridades brasileiras em cancelá-la.

Faça o primeiro comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

1200