O último a saber

Indagado por alguns senadores, Nelson Barbosa disse há pouco, na comissão do impeachment, desconhecer a MP que liberou R$ 100 milhões para propaganda da Presidência, com a rubrica “democracia e aperfeiçoamento da gestão pública”.

Ele é sempre o último a saber.

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

  1. Ler mais 11 comentários
    1. Estão desligando os aparelhos aos poucos, mas a insistente teima em respirar. Que cortem logo o oxigênio. Mas não, os senhores senadores não podem trabalhar sábado e domingo para se desincumbir logo de sua missão, preferem deixar o país no automático.

    2. Mas esse sujeito é um NADA. Nunca deveria ter sido escolhido nem tão pouco aceito, mas já que resolveu fazer parte dessa palhaçada, sair 15 dias antes do fim do governo???? Não faz o menor sentido… Que lixo de Governo!

    3. Pedro Lins, pelo menos ele votou a favor do impeachment, e, o que é melhor, estando ele ministro. Isso vai entrar para os anais da política mundial e para o currículo de Dilma Rousseff: a mandatária que teve um ministro que votou pela retirada da mesma e… mesmo assim continuou ministro, só pedindo, ele mesmo, demissão – E NÃO DEMITIDO – semanas depois. Kkkkk!!! Nunca antes no mundo!

    4. É isso aí , Dilmão , a gripe pode esperar . A propósito , esse Marcelo Castrado tinha cara de tudo , menos de ministro de Estado . Fazer o que ? Lula também não tinha cara de presidente . kkkk

    5. A cada dia que o Sr. Renan Calheiros posterga a votação do impeachment no Senado, 300 brasileiros ficam desempregados. Se demorar 2 semanas, são mais 4.200 pais de família que perdem o emprego. Acorda Renan ! Celeridade nessa votação. Chega de conchavos.

    6. . 1) Redução de parlamentares (de 513 na Câmara para 213 e no Senado de 81 para 27); 2) Apenas 10 ministérios como EUA; 3) Fim do FORO PRIVILEGIADO; 4) Extinção de partidos corruptos; 5) Salários dos políticos (máx.10 salarios mínimos); 6) Fim de privilégios(assessores, cartões, carros); 7) Políticos devem usar mais o SUS; 8) Troca dos Ministros do STF por juízes de carreira eleitos e com mandato de 8 anos; 9) Fim da URNA ELETRÔNICA; 10) Extinção do imposto sindical ; 11) Presos devem trabalhar asfaltando ruas e avenidas; 12) Privatização de estatais.