O venenoso capitalismo de quadrilha

Gustavo Franco presidiu o Banco Central no final do primeiro mandato de FHC. Em entrevista à Época, chamou de “capitalismo de quadrilha” o modelo de política econômica adotado pelo PT após a crise americana em 2008. “É a mãe de todos esses males”, disse. E completou:

“É como se as autoridades quisessem confrontar cada pressuposto de boa política econômica. Parecem estar tentando nos convencer, o tempo todo, que o capitalismo não funciona. Obviamente, isso fracassou.”

Sobre a ideia desenvolvimentista que defende novas injeções de crédito fácil na economia, Franco não perdoou:

“Há situações na economia em que o aumento de gasto público é um remédio, e outras em que é veneno, como agora. Algumas pessoas repetem esse samba de uma nota só. É uma tolice. O único remédio que eles sabem usar foi utilizado em excesso e agora virou tóxico.”

O remédio petista é uma tolice tóxica.