O “vínculo” entre tamanho do Estado e corrupção

Com base na leitura dos planos de governo, Guilherme France, consultor da Transparência Internacional, disse ao Estadão que “os candidatos à direita, que tendem a preferir um modelo de estado menor, usam o combate à corrupção como forma de alavancar essa preferência”.

“Usam a redução do estado, a privatização, o enxugamento da máquina pública, a desburocratização, como formas de combater a corrupção. Quando na realidade, não existe esse vínculo automático.”

Segundo France, a observação de internacional mostra que “muitos dos estados que estão despontando como os estados com menor corrupção” não são máquinas enxutas.

“Estados que têm melhor pontuação no índice de percepção da corrupção são estados compreendidos tradicionalmente como de bem-estar social, máquinas públicas bastante grandes, como países da Escandinávia, Dinamarca, Suécia. Estados tradicionalmente grandes, mas que não enfrentam problemas da corrupção. Então essa vinculação de reduzir o tamanho do Estado e reduzir a corrupção, ela não é automática”, avalia o consultor, pregando o compromisso “tanto com controle social, aumentando a transparência, quanto estabelecendo formas de aprimorar o sistema judicial para reduzir a impunidade”.

France deveria ler, por exemplo, o livro “Debunking utopia – Exposing the myth of Nordic Socialism (Desmistificando a utopia – Revelando o mito do socialismo nórdico)”, do acadêmico e empreendedor sueco-iraniano Nima Sanandaji, que, como resumiu Helio Gurovitz no G1 anos atrás, “demonstra que o sucesso da Escandinávia tem raízes liberais e é anterior à expansão estatal ocorrida entre as décadas de 1970 e 1990. Ele está, acima de tudo, fundamentado numa cultura única, baseada em confiança, responsabilidade cívica e ética no trabalho. Ao contrário da visão defendida em setores da esquerda, o Estado de Bem-Estar Social impõe hoje uma série de dificuldades aos países da região”.

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 36 comentários
  1. No caso do Brasil a parte do Estado que alimenta a corrupção é justamente a que nenhum candidato quer reduzir, são os cargos comissionados, principalmente os ligados à gestão de recursos públic

  2. Culturas onde prevalecer valores, tais como: Honestidade, ordem, disciplina, mérito, responsabilidade, se o estado for grande, a tese do France se sustentará, com restrições, não é o nosso caso

  3. Estado grande é, sim, um estímulo a corrupção. Além disso, apelando à ética, imposto é roubo. Pagamos no Brasil mais de 35% para bancar esse mamute ineficiente. Compensa? 10% já era muito!

  4. Cultura e valores! Os países da Escandinávia são pequenos, homogêneos e cultos. Os founding fathers que redigiram a constituição americana, o fizeram para um povo de moral cristã. Sem valores m

  5. Estado inchado é atraso! Mas aqui, os “privatistas” fazem contratos que lascam com a população. Criam as tais “Agências Reguladoras”, que são escritórios de todo tipo de patifaria das empres

  6. O estado inchado só cria ambiente propicio à corrupção. A falta de educação, de seriedade, o jeitinho brasileiro e a impunidade são o que mais contribuem para as práticas corruptas.

    1. Escreva um livro (pode ser meia dúzia de panfletos) carregado de propaganda pseudo-econômica esquerdista, distribua para órgãos de divulgação e seja convidado para palpitar na mídia mainstream.

  7. O ilustre analista esqueceu de dizer que estados “grandes” não são necessariamente caros quando têm uma população com alto nível educacional. Se numericamente a Suécia apresenta um coeficiente alto de

    1. É isto aí! Se as decisões giram em torno de malas e mochilas de propinas, não há a menor possibilidade de uma ou outra coisa dar certo!

  8. Seo G.France entende de Brasil tanto quanto lulaláu entende de ética e honestidade. Aqui a corrupção é do DNA do povo, vem lá dos portugueses imperiais, aqui precisa acabar com o ESTADO, func.público

  9. dessa vez nem preciso me esforçar, vc´s do antagonista já fizeram o trabalho falando sobre o livro do Nima Sanandaji, esquerdista adora falar desses países como se eles tivessem nascido desse jeito

  10. Esse idiota não conhece o brasileiro. A nossa cultura, sem falar da falta de educação, no sentido amplo, é de levar vantagem em tudo. Querer comparar o Brasil com esses países é coisa de ignorante

  11. A maioria desses países escandinavos não tem seguro desemprego, salário mínimo, as escolas são todas privadas naquele modelo de voucher etc. Estão lá em cima nos rankings de liberdade econômica.

  12. Outro “esquerdinha” tentando esconder com informações falsas sobre o que seria um estado justo, eficiente e eficaz… Balela de parasitas do estado.Menor estado, menores chances de corrupção.

  13. Os comunistas se deram conta que, o mundo não aceita mais a doutrina do estado prover tudo ao cidadão, partirão para o socialismo e a doutrina da escola, mídia, e a destruição da família. HORROR.

  14. Avaliem como quiserem! Minha opinião é que funcionário público na maioria das vezes e acomodado e muitos se embrenham nas teias da corrupção por falta da presença física do patrão!#17

  15. O vínculo é claro: quanto mais estado, mais dinheiro público circulando, mais oportunidades de desvio para os corruptos. Ainda mais em um país com a cultura de levar vantagem em tudo.