Ordem de despejo encolhe tradicional reduto da política brasiliense

A juíza Geilza Fátima Cavalcanti Diniz, da 3ª Vara Cível de Brasília, expediu nesta semana uma ordem de despejo ao restaurante Piantella, em Brasília, que terá 15 dias para desocupar voluntariamente o espaço do bar do estabelecimento.

A ação surge após a constatação de débitos referentes ao aluguel e ao IPTU de novembro de 2017 e dos meses de 2018 até aqui. As dívidas somam, segundo a sentença obtida por O Antagonista (íntegra AQUI), quase 184 mil reais.

Omar Catito, atual proprietário, disse que o despejo refere-se somente à ala do bar e ponderou que o restaurante continuará funcionando.

É simbólico que o tradicional reduto da política brasiliense esteja encolhendo.

E se o poste ganhar? Relembre o que foi a era Lula AQUI

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 24 comentários
  1. Imaginem as notas fiscais desses puxadinhos do PT e assemelhados? Eram nessas alcovas gourmet que tramavam os assaltos aos cofres públicos e o golpe para tomar o poder. Que vão todos à falência.

  2. Mais uma ratoeira indo para o brejo. Ali foram tramados roubos de bilhões, além de conluios para deixar a população dependente com mais fome ainda enquanto degustavam um bom prato e bate-papo.

  3. Uma lástima , infelizmente ficou marcado como um reduto da velha política de conchavos dos políticos suspeitos de sempre . Posso afirmar que sempre teve comida e serviço excelentes …

  4. O reduto das negociatas chegando ao vergonhoso “DESPEJO” por falta de pagamento. Quantos almoços e jantares de altas cifras ali rolaram, regados a vinhos e tratativas de propinas bilionárias?

    1. Fiquei confuso…, Eles usam quais fotos em quais banheiros? Pois Dilma serve tanto para um o masculino como para feminino…

  5. Sensacional simbologia. A implosão está começando. Não ficará pedra sobre pedra no mundo dos políticos corrompidos… uma nova era política começa a bater na porta! À Pátria vestida de verde