“Orientada a abrir a empresa para funcionar no período eleitoral”

Gilmar Mendes, relata o Estadão, enviou ao MP de São Paulo relatório técnico da Receita paulista que apontou irregularidades numa empresa contratada para a última campanha petista.

A empresa Angela Maria do Nascimento Sorocaba-ME foi aberta a dois meses da eleição presidencial e emitiu 3,68 milhões em notas fiscais, dos quais 1,65 para a campanha de Dilma Rousseff. A empresa obedece ao padrão clássico de lavagem de dinheiro. Na teoria, foi aberta para entregar material de campanha. Na prática, emitiu notas frias.

Outro clássico: não havia empresa nenhuma no endereço comercial registrado. A suposta proprietária estava em casa e, sempre de acordo com o Estadão, afirmou ter sido “orientada a abrir a empresa para funcionar no período eleitoral”.

A primeira pergunta a ser feita é: orientada por quem, sua desorientada?