Os arquivos da Odebrecht que servem para acusar uns, mas não outros

Arquivos da Odebrecht que foram usados como provas robustas em denúncias de caixa 2, corrupção e lavagem de dinheiro contra políticos delatados são simplesmente desprezados em outros casos semelhantes, mostra a Crusoé.

Com base em material que estava armazenado em um computador da Transnacional, a transportadora de valores usada pelos doleiros da empreiteira, a PGR denunciou recentemente os ex-presidentes da Câmara Arlindo Chinaglia e Eduardo Cunha, além de outras 15 pessoas.

Nesse mesmo material aparecem pagamentos vinculados a codinomes de políticos que já foram absolvidos ou tiveram seus casos arquivados por falta de provas.”

Leia a íntegra da nota na Crusoé. Assine a revista e apoie o jornalismo independente.

Leia mais: Assine a Crusoé e apoie a o jornalismo independente.
Mais notícias
Comentários desabilitados para este post
TOPO