Os empregados de Pimentel

Fernando Pimentel emprega no governo de Minas Gerais sete de seus comparsas envolvidos na Operação Acrônimo.

Eles ganham salários de até 60 mil reais.

O levantamento foi feito pelo Estadão. Os comparsas de Fernando Pimentel e seus respectivos cargos são:

1 – Mauro Borges, presidente da Cemig, salário mensal de 60,5 mil reais.

2 – Otílio Prado, conselheiro da MGS, salário de 16,9 mil reais, que se soma a jeton de 2,7 mil reais.

3 – Marco Antônio de Rezende Teixeira, chefe da Casa Civil, 42,7 mil reais entre salário e jetons.

4 – Paulo de Moura Ramos, presidente da Progemge,

mais de 30 mil reais.

5 – Eduardo Lucas Serrano, o He Man, secretário-geral da Governadoria do Estado, mais de 23 mil reais.

6 – Felipe Torres Amaral, assistente da diretoria da Cemig.

7 – A mulher de Fernando Pimentel, Carolina Oliveira, chefe do Servas.

Faça o primeiro comentário