Os presentes para o amigo Lula

Além do caso do estádio do Corinthians, Emílio Odebrecht relatou à Lava Jato “que tinha reuniões com Lula, muitas vezes com frequência mensal”, segundo a Folha de S. Paulo.

“Nesses encontros, Emílio pediu e obteve o aval de Lula para ajudar a empreiteira a se expandir por América Latina e África”.

Lula e Emilio Odebrecht não tratavam de pagamentos de suborno.

“As questões práticas de como o PT seria beneficiado” eram resolvidas por Marcelo Odebrecht e Antonio Palocci.

O que está faltando nessa história:

1 – A planilha “Amigo”, com os pagamentos da Odebrecht a Lula.

2 – A compra da sede do Instituto Lula por meio de laranjas.

3 – O “Pós-Itália”, ou Guido Mantega.

4 – A propina paga pelos empréstimos do BNDES.

5 – Os encontros de Alexandrino Alencar com o “Seminarista”, ou Gilberto Carvalho.

6 – Os pagamentos a Lula como lobista da empreiteira, depois de 2010, realizados através do LILS, do Instituto Lula, de Atibaia.

7 – Taiguara.

E ainda há 8, 9 e 10.

Faça o primeiro comentário