“Os tribunais de contas constituem a primeira trincheira de prevenção e combate à corrupção”

O procurador Júlio Marcelo de Oliveira, presidente da Associação Nacional do Ministério Público de Contas, divulgou nota em que elogia a indicação de Sergio Moro para o Ministério da Justiça de Jair Bolsonaro.

“O histórico profissional do doutor Sergio Moro revela elevada competência técnica, capacidade de trabalho, dedicação, serenidade, isenção e retidão moral, atributos que certamente emprestará ao país em sua nova missão, imbuído que está dos mais elevados propósitos para o bem maior da nação.

Justamente por seus destacados atributos profissionais e pessoais, a Ampcon prestou-lhe justa homenagem em março deste ano, com a outorga de sua Medalha do Mérito Institucional, como forma de reconhecimento pelos valiosos serviços prestados ao país, com honradez e destemor.

Destacamos que entre as Novas Medidas contra a Corrupção, preparadas pela sociedade civil sob a liderança da Transparência Internacional e da Fundação Getúlio Vargas, encontra-se a fundamental reforma dos tribunais de contas, nos moldes propostos pela PEC 329/2013, com o fim da indicação política de seus membros, fiscalização pelo CNJ, autonomia do MP de Contas e padronização dos processos e procedimentos de auditoria de controle externo em todo o país.

Os tribunais de contas constituem a primeira trincheira de prevenção e combate à corrupção na administração pública.”

O texto também é assinado por Ricart César Coelho dos Santos, que preside o Conselho Nacional dos Procuradores-Gerais de Contas.

Se tudo der certo, Moro será o próximo presidente de República. Veja AQUI

Deixe seu comentário

Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos

200

Ler mais 40 comentários
    1. Concordo integralmente. O procurador do MP federal Júlio Marcelo de Oliveira é um nome de excelência para ocupar vaga no STF.

  1. A estrutura de fiscalização de gastos tem que ser repensada, custam bilhões e tem eficácia questionável. Poderiam implantar sistemas de gestão online para atualização em tempo real, evitando d

    1. Um deles resolve que não pode ter símbolo religioso em repartição pública e manda ver, acobertado pela “defesa dos interesses sociais e individuais indisponíveis” (Constituição).

    2. MPs têm autonomia D+. Querem fiscalizar tudo/todos, quando convém e interessa. E quem os fiscaliza? Fazem o que dá na telha. Um lá resolve que não pode ter crucifixo em repartição pública e ma

  2. O cara diz isto porque é concursado mas sabe que a maioria dos “conselheiros é escolha de políticos, ou seja, gente de rabo preso. Todo serviço público deveria ser exercido pelos concu

  3. Há muito tempo o recém eleito Deputado Estadual no Paraná, Homero Marquese, vem brigando por este tema. Pediu até demissão do TC do paraná, por não concordar com as falcatruas.

  4. Esse promotor Julio Marcelo de Oliveira, poderia muito bem ser convocado para a equipe de BOLSONARO !!! Não lhe falta talento, patriotismo e qualificação técnica !!! Esse, iria “SOMAR” !!!

  5. TCs são sorvedouros de dinheiro público e o tal controle deveria ser exercido por uma apêndice dos legislativos com técnicos concursados e economizando BILHÕES gastos nesta farra incontrolável.

  6. Os Conselheiros dos TCs têm que ingressar mediante Concurso Público ou serem indicados dentre os Auditores e Procuradores de carreira que demonstrem capacidade técnica e idoneidade moral.

  7. CONCORDO!! desde que não sejam aparelhados como foram na era ptralha. Não é possivel tanto superfaturamento passar sem ser percebido. Estados de futebol da copa que o digam. VERGONHOSO!

  8. Perfeito, Procuradores do bem! Todos unidos com nosso grande Juiz Sérgio Moro rumo à luta incansável contra os usurpadores dos erários públicos. Brasil acima de tudo com Bolsonaro e equipe!

  9. Tribunal de contas nunca fizeram nada de significante pq eh antro da máfia maçonica também. Bolsomoro terão dificuldades mil para quebrar as pernas dedos e isolar dinheiro público dos olhos q tud

  10. Impossível ter uma democracia plena quando as instituições que a regulam são aparelhadas pelo poder executivo. É preciso haver independência entre os poderes e submissão à vontade popular

  11. Tcus tces são antros de corrupção não valem pra nada a não ser servir de cabide de empregos para apadrinhados políticos. É preciso mudar a lei e acabar com indicações políticas nestes tribun

    1. Tens alguma fonte dessa notícia do aumento de conselheiros, Enilze? Eu gostaria de mostrar a algumas pessoas esse exemplo de aparelhamento. Algumas notícias precisam ser detalhadas de tão absurdas.